01 setembro 2007

Sábado/Dom, Setembro 1/2

@-Amaveis leitores. A mídia corporativa afirma peremptoriamente que o Partido dos Trabalhadores esta vivendo uma crise, para alguns veículos de comunicação à crise voltou, para outros ela nunca saiu. É o PT que esta em crise ou é a mídia corporativa? A “crise do mensalão” deu-se antes, durante e depois da eleição, o PT saiu fortalecido pós-pleito, poderia ter-se fortalecido mais, poderia! O PT continua sendo partido mais amado do Brasil (e odiado também), a última pesquisa mostra um PT disparado na frente pela preferência popular. O PT é sem sombra de dúvidas o partido mais estruturado, mais articulado e mais ideológico; no seio do partido estão correntes [para a mídia torpe: facções] em pleno debate e embate democratico, em movimento, mas, para a mídia corporativa isto é um defeito. O PMDB é apenas uma sigla “guarda-chuva”, sendo assim, o PT é o maior partido do País, é inquestionável; talvez por causa disto o ataque diuturno da mídia corporativa. O enfraquecimento do PT é fundamental para as corporações. A mídia corporativa serve fielmente aos donos do capital financeiro e industrial. O PT não esta em crise. A crise perpassa pelo novo modelo democratico brasileiro que atingiu em cheio os donos do grande capital; pela primeira vez estão dividindo o poder, fazem parte, são “pedintes”, não impõem com tanta tranqüilidade e insolência sua política, seus valores. A crise da elite mandatária: não conseguem controlar mais a “turba trabalhadora”, centrou-se demasiadamente em São Paulo, perdeu a perspectiva de País. O controle sempre foi feito pela opinião publica, por conseguinte, pela mídia corporativa. A mídia corporativa não consegue enxergar o País, esta em crise, ilhou-se.

@-Frase própria da Sambu: "Um partido com a dimensão do PT não pode abdicar do direito de tentar construir uma candidatura própria". Presidente da Câmara dos Deputados, Arlindo Chinaglia (PT-SP)

@-Este blogueiro espera que a Vênus Platinada divulgue na segunda feira a reunião do ministro da Saúde, José Gomes Temporão com o Presidente Lula e os ministros da Fazenda, Guido Mantega, e do Planejamento, Paulo Bernardo, para discutir o processo de liberação de R$ 2 bilhões do orçamento para a saúde. O Jornal Nacional da quinta-feira foi cruel com o famoso recorta & cola, fizeram uma matéria tosca, com o Ministro Mantega, mas, na sexta-feira retificaram o “erro” do Ministro, e sem corte. Então ta.

@-Frase irmanada da Sambu: "O presidente Lula tem trabalhado para que se construa uma candidatura de coalisão. Podemos dar continuidade aos oito anos de Lula. Eu acredito que essa coalisão que elegeu Lula por duas vezes tem apoio e respaldo para vencer as eleições de 2010". José Dirceu

@-Tirinha de Jornal: “A Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais (GBLT) cobrou, nesta sexta-feira, explicações do presidente do PSDB, Tasso Jereissati (CE), por ter chamado de "boneca" o senador Almeida Lima (PMDB-SE), na quinta-feira. Para a associação, o senador foi "infeliz ao utilizar-se de um termo denotando a homossexualidade como forma de menosprezar outro parlamentar". Portal Terra

@-Tirinha de Blog: “Já não é suficiente ter o lema "não seja mau". O Google está na capa da Economist (em inglês) desta semana. A revista destaca que nunca uma empresa cresceu tão rápido e que a lista daqueles que temem o gigante da internet aumenta a cada dia: emissoras de televisão, editoras de livros, jornais, operadoras de telecomunicações, empresas menores e políticos, tanto conservadores quanto progressistas: "O Google é muitas vezes comparado à Microsoft (outro inimigo, incidentalmente); mas sua evolução é na verdade mais próxima do setor bancário. Assim como as instituições bancárias acabaram se tornando repositórios do dinheiro das pessoas, e, dessa forma, guardiães da informação privada sobre suas finanças, o Google está se tornando agora o custodiante de uma faixa ainda maior e mais íntima de informações sobre indivíduos.” Renato Cruz / Estadão

@-Última: tirinha do André Dahmer (Malvados)

Nenhum comentário: