25 agosto 2007

Sábado, Agosto 25

@-É de enlouquecer a estultice de alguns jornalistas na defesa do indefensável sobre a violação da correspondência no STF: alguns alegam que o local onde o repórter cinematográfico tirou as fotos é público. Ora, é lógico que o local é público, mas a correspondência de um cidadão no seu trabalho é inviolável e o local não explica um crime cometido. Outros, mais estultos, alegam que o assunto é do interesse público. Este blogueiro esta sabendo agora que uma correspondência (inviolável, reza a Constituição) seja de quem for e aonde for pode ser violada pelo interesse público. Que tal violar as correspondência do dono da Globo, por interesse público é claro, afinal o espaço da Globo é concedido portanto... E a OAB, vai ficar só na indignação?

@-O fotógrafo estava na função dele, teve uma grande sacada, até ai tudo bem. Tirar uma foto de um computador público em um local público, normal. O repórter sabia que a foto revelaria correspondências? Caso o repórter tinha o conhecimento que era e-mails trocados, cometeu um crime, repito: violar correspondência é crime Federal! Se não sabia, a redação jamais deveria publicar conteúdos oriundos de uma violação, mesmo que esta fosse desconhecida [ao revelar a foto, eis...] do repórter. Vivemos uma época estranhíssima, uma espécie de ditadura midiática. A mídia corporativa seqüestrou a moral, a ética, a justiça, o conhecimento e até produz fatos, produz “realidade”, confunde privado com público e vice-versa em nome da liberdade, da informação. Seria magnífico se a “causa” da mídia fosse apenas a informação e a sua liberdade de noticiá-la...

@-Sobre as duas tirinhas de cima: este blogueiro deve estar maluco, por falar tanta bobagem sobre um crime que não existe, afinal tanta gente na grande mídia achou normal à divulgação, juristas renomados não viram na violação nada de anormal, a OAB ficou apenas indignada pela violação da intimidade. Intimidade!? Enfim...

@-Os arautos da mídia corporativa afirmaram que a CPI da VEJA (venda da TVA para a Telefônica), não iria sair, afirmavam categoricamente a falta de coragem dos Deputados em “peitar” a grande mídia, ledo engano, a CPI da “VEJA”, este termo já esta sendo usado por muitos Deputados, já foi protocolada e tem tudo para se tornar uma CPI da mídia: “...como começa, mas não sabe como termina”. E para complicar ainda mais a CPI dos Grampos pode resvalar na mídia corporativa. A conferir

@-Frase histórica da Sambu: "É preciso que a gente tenha sensibilidade para encontrar um denominador comum e tentar estabelecer uma discussão sobre aquilo que é possível adaptar à nova realidade do mundo do trabalho hoje. E eu sou um homem aberto a esta discussão, mas aqueles que divergem não têm o direito de passar uma borracha na história desse país, até porque muitas das coisas que permitiram que nós fôssemos o que nós somos, devemos ao Getúlio Vargas". Presidente Lula, ontem no Rio Grande do Sul

@-A mídia corporativa alardeou com satisfação (depois do desastre da TAM) a não ida do Presidente Lula ao Rio Grande do Sul para lançar o PAC do saneamento, produziu matérias “encurralando” Lula no Palácio do Planalto, era lá o lançamento do PAC para a Região Sul, segundo a mídia corporativa. A imprensa comercial enganou-se mais (como se equivoca!) uma vez. O Presidente Lula foi muito bem recebido no Paraná e no Estado gaúcho. No Rio Grande: R$ 1,67 bi para obras de abastecimento de água, esgoto e urbanização de favelas, sendo que a parcela de investimentos dos governos estadual e municipais será de R$ 75,5 milhões e R$ 177,9 milhões, respectivamente. E no Paraná: R$ 1,2 bilhão para realização de obras de saneamento.

@-Só para constar: “A produção industrial da Argentina contraiu 2,1% em julho em comparação com junho, sob uma base sazonalmente ajustada, como resultado do racionamento forçado de energia do setor industrial em virtude da frente fria sem precedentes que atingiu o país, segundo informou a agência nacional de estatística (Indec).” AE

@-Frase quase óbvia da Sambu: “A exploração que a mídia fez do governo depois do acidente com o avião da TAM foi vergonhosa. O que houve foi totalmente falso, artificial. Culparam a pista, a falta de grooving e o apagão aéreo. Mas uma semana depois se viu que o acidente não foi causado pela pista de Congonhas. Ontem fui vítima, fiquei por duas horas em Guarulhos para vir a Porto Alegre. A culpa não é da Infraero, é da empresa aérea". Deputado estadual do Rio Grande do Sul Raul Pont

@-Tirinha de Colunista: “O caso Renan caminha inapelavelmente para a conclusão nem um pouco surpreendente: absolvição quase certa no Conselho de Ética (?) ou, numa raridade, no plenário. Mas nos dois casos, pelo VOTO SECRETO, que é a morte e a morte (com royalties para Jorge Amado) da representatividade. Não é possível que o cidadão-contribuinte-eleitor que pseudo ou supostamente elege deputados e senadores não possa conhecer os caminhos que percorrem. O VOTO SECRETO foi instituído para proteger cidadãos indefesos, e não para garantir poderosos. Que assustados com a própria insensibilidade, se escondem covardemente. E votam contra o povo que os elegeu. O Senado vai se desmoralizar (mais?) se não houver uma providência. Que providência? Um líder da chamada oposição, acusadíssimo por Renan, foi à tribuna, fez fartos elogios ao presidente do Senado, terminou: "V. Exa. sempre foi um bom parceiro e companheiro". Que República”. Helio Fernandes, Tribuna da Imprensa

@-Última: tirinha do André Dahmer (Malvados)

Nenhum comentário: